Translate/traduza

sexta-feira, 28 de setembro de 2007

A Ausência e o Espelho...


Hoje, olhei-me no espelho e não me vi...

Apareceu alguém que não reconheci,

alguém com lágrimas cerradas,

neblina densa...

A sombra que observei, suplicava...

Era uma Sombra cansada...

Uma Sombra em desespero...

Apenas uma Sombra no seu movimento de extinção...


...A Última Madrugada...


O relógio de parede anuncia com lentidão avassaladora a madrugada,

Indiferente ao facto de ser a última madrugada...

Atravessei o cansaço e subi alguns degraus para avistar uma estrela,

algo ou alguma coisa, que me faça sentir menos só...

Iniciei este caminho há muito dentro da minha mente,

passei por lugares sem nome, olhavam-me rostos sem rosto,

Almas perdidas em busca de ternura...

Sombras alternando Luz...

Almas...

quinta-feira, 27 de setembro de 2007

...Tempo de Despedida...


Neste tempo fora do tempo,
esgotam-se os instantes em cada lágrima...
Chegou o tempo de partir,
partir dentro da madrugada,
tornar-me um nada absoluto...

Este é o tempo que tanto temi,
a impossibilidade de pensar além do sofrimento...

Não tenho a noção clara de nada,
o meu pensamento apenas pensa em libertar-se...

Chegou o tempo na véspera do tempo sem tempo...

Talvez ainda seja possível um Milagre...

...Ao longe...


Trazes no olhar o universo,
olhas nos meus olhos e convences-me
de que o amanhã é um lugar de luz...
Nos teus lábios a vida dos meus,
nos teus sonhos os meus desejos
ganham forma, materializam-se...
No teu sorriso a palavra que permanece...
Na tua pele o sabor a sal de todos os oceanos...
Ao longe permanece uma memória,
quase penumbra no seu ultimo existir...
Ao longe os meus olhos sangram na procura dos teus...
Ao longe... Todos os Milagres pareciam possíveis...
Ao longe, quando o nosso respirar soava à mais bela melodia,
alcançavas a essência do Ser mais profundo que habitava em mim,
tinhas a Vida entre as Mãos...
Quantas vezes me indicáste o caminho secreto...
Ao longe o meu coração estremece na solidão do teu,
Ao longe, tudo ficou demasiado distante,
ao longe não passa de uma frase gravada na minha lápide...

Lágrimas latejando...


Caminhos de ontem, lugares de memória,
horizontes desaparecendo no horizonte da vida,
Tempestade de silêncios,
Lágrimas esvoaçando em todas as direcções...
Últimos instantes de tudo...
O saborear distante de um último momento,
um olhar de despedida, um som, um gesto, uma expressão...
Momentos únicos arrancados à força das nossas mãos,
presenças ausentes na eternidade que se anuncia,
num anúncio de dôr e mágoa...
Onde estão as côres que nos prometeram,
os sois mágicos...
A vida que se sente não preenche o requisito mínimo do sonho...
Talvez este tempo seja apenas uma prova ou um ritual de passagem...
Talvez as lágrimas sejam a fonte de um rio por navegar...
Talvez, exista um mistério maior por detrás deste suicídio tímido...
Talvez...

sexta-feira, 21 de setembro de 2007

Fica mais Algum Tempo...


Deixa-me olhar-te... Deixa-me entrar dentro do teu Ser...

Deixa-me Ser-te por instantes...

Quero Navegar dentro de ti e Perder-me para Sempre...

Náufrago no Oceano de Ti...


Regressei na Beleza Verde do Teu Olhar,

na Eternidade que reflecte...


Ontem foste capaz de guiar o meu coração

através dos horizontes mais fabulosos...

Hoje quero apenas que continues aqui,

Quero-te na Presença de Ti...


Amar-te além do Amor,

Beijar-te muito além do Beijo...

Tocar-te muito além do Corpo...

Ser Alma e Corpo na unicidade do instante supremo...


Ser a Palavra, o Pensamento e o Som...

Ser o Ontem na Fusão do hoje...

Ser o Infinito que há em Nós!

De Olhar Vazio...


A tarde adensava-se no meu entorpecimento,

Olhava em redor e apenas vislumbrava sombras...

Sombras de metal agigantando-se na minha direcção...

Tentei refugiar-me num Olhar...


O vazio globalizava a minha mente,

numa ansia de inquietação desmedida...

Restos de palavras mergulhadas,

Rostos sem expressão...

Ruídos sem som...


Máscaras de Silêncio...

Ausência...

Mágoa...



segunda-feira, 17 de setembro de 2007

No arrastar dos teus passos de flanela...


Recordo-me do teu rosto rosado de bébé,
da forma como falavas, dos teus gestos ternos...
Fazias parte do meu dia, compunhas os meus pensamentos...
... de repente esqueci-me se te tratava por "Tu" ou "Você"...
Lembro-me da forma como agarravas as tuas canecas...
... amavas as tuas canecas e as histórias que as moldavam...
Falei de ti hoje... Senti aquele aperto da saudade...
Escutei os teus passos de flanela na direcção da porta,
olhei e vi nos teus olhos a cegueira dos teus...
Lembro-me que escolhi ignorar a tua partida,
inventando-te um lugar aqui...
Por momentos acreditei que poderias continuar eternamente velho,
... aquele velhinho com rosto de bébé...

Milagre...


Entrelaçam-se ao som do Coração...
Lembro-me do tempo solar, daqueles instantes feitos de esperança,
recordo-te na paisagem que permaneces...
Amo-te no Sonho que insisto em Sonhar,
Olho-te e aconteces...
...Por Milagre...
Como que por Magia, aprendemos a navegar no tempo,
neste tempo que já foi neste tempo...
Olho-te, pego-te na mão, aninho-me em ti,
sinto o teu calor...
Sinto as tuas lágrimas antes de lacrimejares,
sinto as tuas mãos instantes antes de as tocar...
Escuto as tuas palavras antes de atravessarem os teus lábios...
Sinto em cada instante de Nós...
O Milagre!

Related Posts with Thumbnails